28/08/2017

Resultados do estudo - Yoga em Portugal

Aqui há uns meses fiz um estudo sobre a prática de yoga em Portugal. Muitas das pessoas que participaram mostraram muito interesse nos resultados e eu prometi que divulgava quando conseguisse. Os artigos científicos ainda não estão terminados, mas optei por mostrar já os resultados mais descritivos do estudo.

Então, vamos começar!













O questionário também pretendia avaliar algumas características da personalidade e da motivação dos praticantes de yoga. Os gráficos seguintes são apenas distribuições de frequências. A escala de 1 a 5 significa que quanto mais perto do 5, mais forte é essa característica nos participantes. Os dados não foram relacionados uns com os outros, que é a parte mais interessante do estudo, mas que vai ser alvo dos tais artigos.

Por exemplo, uma das características da personalidade é a gregariedade. Vemos que os praticantes de yoga não são propriamente as pessoas mais gregárias do mundo, o que é esperado, visto o yoga ser uma atividade mais solitária... (mesmo em aulas de grupo, é suposto estarmos voltados para dentro)



Outra é o altruismo. Como seria de esperar, os praticantes de yoga consideram-se altruistas... claro que certas respostas vão estar contaminadas pela desejabilidade social, que é quando damos um resposta que achamos que é a mais indicada socialmente (ou seja, eu até posso ser a pessoa mais egoísta do mundo, mas se calhar penso duas vezes antes de dar essa resposta num questionário).


Avaliei também a auto-disciplina, pois queria ver se os praticantes que praticam sobretudo em casa e os praticantes de ashtanga vinyasa são mais auto-disciplinados que os outros. Essa análise ainda não fiz, mas em termos gerais, os yogis portugueses são auto-disciplinados.


O locus de causalidade avalia se as pessoas sentem que fazem yoga porque querem ou porque acham que tem que ser (por exemplo, por recomendação médica, mas se pudessem escolher, não fariam). Os praticantes de yoga têm, como também era esperado, um locus de causalidade mais interno, ou seja, praticam yoga porque querem e não porque tem que ser...


Avaliei também o tipo de motivação que leva as pessoas à prática de yoga. De acordo com a teoria da auto-determinação (uma teoria da psicologia muito famosa), a nossa motivação varia entre a amotivação, ou seja, falta de motivação, e a motivação intrínseca , que é quando fazemos uma coisa porque nos dá prazer. A teoria é bem mais complicada que isto, mas também aqui não houve surpresas. A motivação para a prática de yoga é sobretudo intrínseca, ou seja, as pessoas fazem yoga porque gostam.


Só para perceberem um pouco melhor, a motivação é um continuum, como mostra a figura. A motivação dos praticantes de yoga é sobretudo intríseca (eu pratico porque gosto), mas também integrada (pratico porque gosto, mas também quero atingir objetivos com a prática) e identificada (pratico yoga porque valorizo esse comportamento). As motivações/regulações mais externas (amotivação, externa e introjetada) são muito menos frequentes nos praticantes de yoga. 


Além do tipo de motivação, também perguntei acerca dos motivos que levam as pessoas a praticar yoga. As pessoas praticam yoga sobretudo porque é um desafio e é divertido, mas também para evitar problemas de saúde, para gerir o stress, para relaxar, para aumentar a flexibilidade, a força e a resistência, e, claro, por motivos espirituais e de bem-estar. Os motivos menos importantes para a prática de yoga são o reconhecimento social, a afiliação, a aparência e a gestão do peso.

Apesar das necessidades de afiliação não serem um motivo para a prática, são uma das coisas que as pessoas ganham com a prática de yoga. Outros ganhos importantes que vêm da prática de yoga é tudo o que tenha a ver com saúde e melhoria das capacidades físicas, e até a aparência.

Por fim, as atitudes em relação ao ambiente também foram avaliadas. Sem surpresa, os praticantes de yoga (tal como a população portuguesa em geral) têm uma visão mais ecocêntrica, ou seja, estão mais preocupados com a conservação do ambiente e são mais apáticos em relação à utilização do ambiente para as necessidades humanas. Na figura, a Preservação está no eixo dos yy (valores sobretudo positivos) e a Utilização no eixo dos xx (valores sobretudo negativos).




Pronto, isto são resultados muito preliminares (e nem estão aqui todos). À medida que for publicando os dados em artigos científicos ou comunicações em congressos, vou divulgando aqui também - mas quem é da área sabe que isto pode demorar muitos meses ou mesmo anos!! (mas esperemos que não!)

Resta-me agradecer de novo a todos os que participaram neste estudo e espero continuar a contar com a vossa colaboração em estudos futuros (sim, vêm aí mais!!).

MUITO OBRIGADA!!!



01/08/2017

Agosto!!!

Finalmente estamos em Agosto, o que para mim significa regresso a casa e ao trabalho!!

Este mês quer-se (e vai ser) muito cheio e produtivo. Milhões de coisas para fazer na universidade, mas isso é o normal; mas como ainda não tenho aulas (começo em setembro o mestrado em psicologia clínica), tenho que aproveitar bem estas semanas!

Ginásio novo em Faro! Abriu o Pump aqui na terra e eu já me inscrevi. É grande, luminoso, barato e perto de casa. Quero experimentar várias aulas, nomeadamente TRX que nunca fiz e acho que deve ser muito giro, e também HIIT (e outras com nomes estranhos)... Depois da lontrice que foram as minhas férias, é agora que vou entrar na linha!

E por falar em entrar na linha, decidi não me stressar mais com o chocolate. Sim, posso comer chocolate à vontade - desde que seja eu a fazê-lo! Os bolos que eu faço em casa são tão melhores que os que compro na rua!!... Por isso, ao fim de semana vou fazer coisas de chocolate. Ontem, ainda de férias, fiz um salame de chocolate delicioso. No próximo fim de semana ou faço novamente salame, que ainda fiquei com chocolate em pó, ou uns brownies. Logo se vê.

Agora, vou nadar. Não tenho aulas de natação até meados de setembro, mas tenho a piscina olímpica aberta ao público - uma chatice, montes de gente, mas como vou à hora do calor, tenho esperança de conseguir uma pista para mim, sem jovens a atravessarem-se no meu caminho...

Mais logo, tenho que levar o carro à oficina, depois vou ao ginásio. Tenho o menu semanal feito, as compras quase todas feitas e só me falta comprar carne (se bem que hoje no menu temos alho francês à Brás). Depois do jantar, tenho uma cesta cheia de roupa para passar a ferro... e talvez faça mais umas coisinhas!

Ah, estou cheia de energia, não se nota? (isto é de vir fresca das férias, não é do tempo - estou farta do calor... quero é que chegue o outono, que é a minha estação do ano favorita...)

31/07/2017

De volta!!

Era suposto virmos para casa esta manhã, mas as (minhas) saudades eram tantas que viemos ontem à noite. Hoje, orientar a casa, pois amanhã volto ao trabalho. Já fiz e estendi 4 máquinas de roupa e a 5ª está a bombar. Fui ao supermercado abastecer-me para a semana (depois de ter feito o menu e a lista de compras), fomos almoçar ao Ikea e comprar lençóis novos para a minha cama (os que tenho estão todos rotos...), fiz um salame de chocolate (não compro mais chocolates fora de casa! se é para comer porcarias, prefiro ser eu a fazê-las!), arrumei roupa, arrumei o topo do meu roupeiro com as malas, mantas e afins, comecei a fazer o jantar (miúdos estufados), entretanto destralhei e limpei umas gavetas da cozinha, estou a ouvir um jazzezinho no spotify e daqui a pouco vou ao ginásio (o novo ginásio que abriu a semana passada, o Pump).
Mais logo, jantar, arrumar o resto da roupa que está a secar, costurar umas fronhas para a almofada 65x65 cm que um dos meus filhos quis comprar (tenho duas na minha cama para enfeitar e ele está sempre a levá-las...), fazer o orçamento para agosto, arrumar mais qualquer coisa, e logo se vê o que consigo fazer mais.
Amanhã, back to work! Planear o trabalho - basicamente, tenho muitos artigos pendurados para acabar... e mais uns questionáriozinhos para vos chatear... ;) ;)

17/07/2017

Farta de férias e lontrices

Pois é, passaram-se 15 dias e eu já estou pronta para voltar para casa. A verdade é que sou muito caseirinha e gosto de estar na minha casinha... Já tenho imensos planos de coisas para fazer, mas aqui na praia não posso fazer nada... Aqui é só dormir, estender-me na areia, estender-me na espreguiçadeira, fazer comida, comer, umas caminhadas, e pouco mais... O J. está a trabalhar e os miúdos passam o dia com os amigos; portanto, eu estou quase sempre sozinha... Tenho o Primal Health Coach para acabar, alguns livros para ler, e pouco mais... 

E, ainda por cima, ando feita lontraPasso a explicar. 

Altura de frequências e exames é sempre um stress para mim. Maio e junho foram assim.
A juntar ao stress, a minha tendinite no ombro deu sinais de si, de tal maneira que tive que ir para a fisioterapia. Entretanto, tendinite acalmada, venho de férias e arranjo um torcicolo do pior (mesmo, nunca tinha tido um tão mau como este).
Stress e dores resultam em lontrice muito chocolate para lidar com o stress, pouquíssimo yoga por causa das dores, mais stress por causa de não fazer yoga, mais dores porque mesmo com dores não falto à natação.
Resultado - estou uma lontra. E isto tem que acabar AGORA!

Na verdade, a lontrice não é total. Estou a fazer um curso de iniciação ao crossfit (se bem que já fiz crossfit, mas queria aprender bem os movimentos), duas vezes por semana, durante 4 semanas. 
Tenho feito caminhadas depois do jantar, 45 minutos (é o caminho que tenho aqui, cerca de 4 km).
As aulas de natação já terminaram, infelizmente... em setembro há mais.
O que quero agora, enquanto estou de férias, é recomeçar a prática de ashtanga yoga, devagar. Não me vou aventurar a praticar 90 minutos logo assim de repente. É começar com 30 minutos e depois logo se vê. (esta manhã só fias saudações ao sol que já era tarde). À conta de tanta natação, perdi alguma da flexibilidade que tinha, mas isso recupero facilmente.
Ah, e vou fazer um curso de windsurf aqui no Centro Náutico da praia de Faro! O J. faz (fazia) windsurf, um dos miúdos já fez o curso (o outro preferiu canoagem), e eu pensei, já fiz vela e já fiz surf, portanto o windsurf não deve ser assim tão difícil! Portanto, daqui a uns dias lá estarei para um curso de 4 dias!

Estou muito entusiasmada com a abertura de um novo ginásio aqui em Faro, o Pump. Abre no fim deste mês e já me inscrevi. É perto de casa, é barato, e tem uma coisa que acho fantástica as aulas são quase todas de meia hora! Adoro! Curto e intenso! Vai ser perfeito para quando os miúdos estiverem nas atividades. Vou começar em agosto, quando voltar de férias. Eu não sou muito de ginásios e aulas de grupo, mas estou entusiasmada com este - espero não me desiludir!



De resto, só tenho que aprender a fechar mais a boca - sobretudo quando o que tenho à frente é chocolate...

Ah, agosto, vem depressa!

12/07/2017

not so fast

Não sei porquê, mas quando estou de férias na praia de Faro dá-me para reler o blog da Lénia. Aconteceu há dois anos, aconteceu o ano passado, e está a acontecer agora. Não é só por adorar o estilo de escrita dela, mas também porque muito do que ela escreve faz-me pensar. Às vezes estamos a passar por situações muito semelhantes nas nossas vidas, quer a nível pessoal ou profissional (embora eu raramente escreva sobre isso), o que ajuda a cimentar este fenómeno de identificação. Eu conheci a Lénia pessoalmente e tenho pena de não a conhecer melhor. É uma gaja porreira, sem merdices, despachada, inteligente - e eu gosto de pessoas assim.

Da sua escrita, estou na mesma onda em quase tudo o que ela diz. Por exemplo, concordo absolutamente com a posição da Lénia relativamente ao aborto, e também há músicas que me deixam nauseada... mas, ao contrário dela, eu gosto da M80 (e da Antena 2) e não suporto cenas mais dançáveis ou mais "suburbanas", como ela diz (os links são da série Frente & Verso que ela escrevia com a Margarida). Já me fartei de rir, já me vieram as lágrimas aos olhos, já fiquei a pensar, já comecei a olhar para certas coisas de forma diferente, já aprendi com a escrita da Lénia.

Adiante. Gosto de ler a Lénia porque a Lénia é uma inspiração. A Lénia vai à luta, cai, anda por ali perdida durante uns tempos, ergue-se de novo e consegue subir ainda mais alto. Inspira-me a ser melhor, a não desistir. 

Portanto, se de vez em quando também precisas de uma dose de inspiração, aqui tens muita.

05/07/2017

As pessoas que só dormem 4 horas por noite

Ah, como eu tenho inveja dessas pessoas que dormem 3 ou 4 horas por noite e acordam frescas que nem uma alface... 

A semana passada assisti a uma palestra do Prof. Gualberto Buela-Casal, psicólogo e um dos mais importantes investigadores do sono a nível mundial (responsável pelo maior laboratório do sono da Europa, em Granada), sobre, precisamente, o sono (não o sonho, que é uma coisa que se dá mais a análises freudianas). Foi muito interessante! Fiquei a saber porque é que essas pessoas dormem tão pouco e a maioria de nós tem que dormir muito mais...

A figura mostra o padrão normal do sono de um adulto (neste caso, humano, mas o sono dos outros primatas é muito parecido com o nosso). As fases 1 e 2 são de sono ligeiro e muitas vezes estamos nelas e achamos que não estamos a dormir (podem ocorrer até quando estamos a conduzir o carro!). As fases 3 e 4 são o sono profundo e muito profundo, e o sono REM é aquele em que a atividade cerebral está imparável! Ao contrário do que se pensa, não sonhamos apenas na fase REM, mas sim em qualquer uma delas. O sono profundo/muito profundo e o REM são essenciais para recarregar baterias, tanto a nível físico como cognitivo - estas fases são, portanto, as mais importantes.



Como vemos na figura, o sono profundo ocorre mais ao início da noite, enquanto o REM fecha cada ciclo de 90 minutos e vai aumentando com o passar das horas de sono. Estes ciclos de 90 minutos são muito certinhos na maioria das pessoas - ao colocarmos o despertador, devemos ter em atenção estes ciclos, se a ideia é acordar frescos e repousados. É muito mais fácil acordar no início de um ciclo (na fase de sono ligeiro), do que a meio (no sono profundo ou REM). Acordar na fase de sono profundo é terrível - o cérebro está muito lento e geralmente o que acontece é que demoramos uns segundos a perceber onde estamos ou que dia é.

O sono ligeiro, ou seja, as fases 1 e 2... não servem para nada. O que é uma pena, pois ao longo do sono passamos bastante tempo em sono ligeiro. Ora, aquelas pessoas que conseguem dormir apenas 4 horas por noite... não têm sono ligeiro!! Passam essas poucas horas em sono profundo ou REM! Não se sabe porquê, mas essas pessoas, quando adormecem, oscilam entre o sono profundo e o sono REM, não passando pelo sono ligeiro. Assim, conseguem ter à mesma as horas necessárias de sono restaurador sem o desperdício do sono ligeiro pelo meio! (Ah, que inveja! As coisas que eu faria se dormisse só 4 horas por noite...)

Infelizmente (e foi nesta parte da palestra que agucei bem os ouvidos, a pensar que ia ouvir a solução para os meus problemas...), não há nenhuma maneira natural de conseguirmos alterar o nosso padrão de sono... Quem dorme 7-8 horas por dia tem que aceitar que nunca conseguirá dormir apenas 4 e ficar bem. Poderá haver formas artificiais de alterar o sono (com medicação...), mas óbvio que isso não é natural nem saudável...

Seja como for, podemos regular o despertador de modo a acordarmos na melhor altura, considerando os ciclos de 90 minutos.
Se és daquelas pessoas que adormece mal cai na cama, podes pôr o despertador para daí a 7h30 ou 6h - mas não para daí a 6h30 ou 7h, pois vai calhar a meio dos ciclos.
Se demoras um pouco mais adormecer, tem em atenção esse tempo que levas até entrar na fase 1 do sono e conta os ciclos de 90 minutos a partir daí. Eu, por exemplo, posso demorar 10-15 minutos agora nesta altura relaxada de férias, mas em fases em que ando mais stressada e vou para a cama ruminar em coisas, posso demorar meia hora ou mais (bastante mais, às vezes) a adormecer. Portanto, é ter isso em consideração quando programamos o despertador!


Outros posts sobre o sono:

03/07/2017

De volta à normalidade e planos para o verão

No seguimento do meu último post, estou finalmente de férias! Licenciatura em Psicologia acabada. Tenho agora uns meses para respirar. Mas é inevitável pensar: mas porque é que me meti nisto?? A minha vida antes do curso era tão mais simples. Tinha fins de semana livres, lia imenso, fazia coisas fora de casa. Escrevia imenso neste blog, destralhava a casa, costurava... Agora, estudo aos fins de semana (vá, não são todos os fins de semana, mas quase). Por isso, antes que as aulas do mestrado em psicologia clínica, ao qual vou candidatar-me, comecem em setembro, tenho mil e uma ideias de coisas para fazer - antes que os meus fins de semana sejam tomados de assalto pelo estudo e pelos trabalhos...

Para começar, quero destralhar a casa. O destralhamento é um processo contínuo; quero dar uma grande volta à despensa da cozinha e à arrecadação. Aliás, tenho planos para "redecorar" a despensa com o sistema Algot do Ikea (agora que tenho um Ikea a poucos km de casa!!!) - há poucos meses fizemos um armário no hall de entrada com o Algot e ficou super giro!! (e barato) Esta foto mostra a fase inicial, mas agora está mais composto (só falta arranjar o chão que ficou com umas zonas sem tacos).

A minha roupa está constantemente a ser destralhada. Tenho uma gaveta cheia de tops de verão que praticamente não uso, porque ando mais com vestidos e esses tops ficam bem com calças de ganga (que não uso durante o verão). Portanto, quero ver se arranjo maneira de os usar, senão, terão que ir fora.

Preciso também de renovar os têxteis da casa, sobretudo os lençóis da minha cama, que estão todos rotos!! Tenho apenas dois conjuntos de roupa de cama (lençol capa de baixo, capa de edredon que serve de lençol no verão e de capa de edredon no inverno, e duas fronhas), e portanto, pretendo substituí-los por outros dois. Do Ikea, claro! Eu gosto das coisas simples. Branco e cinzento são as minhas cores. Duas capas de edredon brancas, dois lençóis-capa cinzentos, e quatro fronhas brancas ou cinzentas.

Os lençóis das camas dos miúdos também estavam a precisar de ser substituídos - já comprei um lençol-capa para cada um (no Ikea!); as capas de edredon ainda aguentam mais uns tempos. Os cortinados é que não, estão todos rotos! Em agosto quero fazer um grande destralhamento no quarto deles, porque há muita coisa, sobretudo brinquedos, que eles já não usam e apesar de estar tudo arrumado em caixas, não há necessidade de manter coisas que já não servem para nada...

Também queria renovar o interior do roupeiro deles com... claro, o sistema Algot!! Veremos...

Outra coisa que quero fazer mas que me assusta é destralhar o que tenho guardado na arrecadação. Como a arrecadação é na cave do prédio e só vou lá tirar e pôr bicicletas, não tenho que lidar com a tralha todos os dias... mas sei bem que tenho caixas cheias de coisas, nomeadamente papelada diversa, livros de piano, objetos decorativos, discos de vinil... e muito mais. Por mim, as únicas coisas que tinha na arrecadação eram as bicicletas, as coisas do Natal e as várias caixas de ferramentas do J. Mais nada! (será que consigo?)

Mais coisas giras que tenho planeadas para os próximos tempos? Um curso de inciação ao crossfit! Sim, eu já fiz crossfit, mas quero recomeçar devagar, e o curso aborda os principais movimentos e as técnicas corretas de execução, entre outras coisas. Quero também continuar a nadar, porque as aulas de natação interrompem de 15 de julho a 15 de setembro, e nem pensar ficar 2 meses sem nadar!! Este verão não tenho retiros de yoga nem nada disso planeado, nem estou a pensar ir a mais lado nenhum - quero ficar em casa, a fazer as minhas coisinhas. 

E são estes os meus planos mais imediatos para quando acabarem as férias, no fim deste mês. Agosto costuma ser um mês em que consigo fazer imensas coisas, tanto no trabalho como em casa. Espero que este ano seja igualmente produtivo! Mas agora, deixa aproveitar a praia!

21/06/2017

Quase normal

Estou farta, tão farta! Estes 3 anos de licenciatura em psicologia estão a 1 exame de terminar. E ainda bem, porque estou tão farta que vou precisar de outros 3 anos para recuperar! Na verdade, devo começar o mestrado em psicologia clínica em setembro. Tenho apenas os meses de verão para recarregar baterias. Mas, a sério, estudar para frequências e exames? Já não tenho idade e muito menos paciência para isso! Quem disse que quem corre por gosto não cansa, enganou-se! Cansa muito! Mas falta-me só 1 exame... e provavelmente outros 2, de melhoria. Seja como for, mais uma semana e está tudo acabado. Não vejo a hora de ir de férias e pôr isto para trás das costas. Estou mesmo cansada. 

Por causa dos exames, não tenho rotinas, não tenho horários, e odeio isso. Os exames, o estudo intenso, desorientam-me. A única coisa que tenho feito sem falhas é a natação. De resto, nada. Passam-se dias e dias que não olho para a agenda nem para a lista de coisas para fazer. Não gosto disto assim. Não me oriento assim.

Preciso das minhas rotinas, preciso do comboio bem encarrilado. Odeio os exames, este stress... Quem é que me mandou voltar a estudar??

E ainda por cima, não me basta o exame que tenho mesmo que fazer, ainda quero fazer 2 melhorias, porque acabar o curso com média de 18,4 é inadmissível. 18,0 é bom, 17,5 também, 18,2 ainda vá que não vá. Mas 18,4, que é a minha média neste momento, é demasiado frustrante. O meu objetivo quando fui para o curso era acabar com 18. Esse objetivo está mais que cumprido. Mas estou tão perto do 18,5, ou seja, do 19, que me inscrevi a 2 melhorias. Isto é de loucos! Parece que sou muito mais perfecionista do que pensava... 

Preciso mesmo que isto termine. Sim, estou contente com o que consegui atingir, sou a melhor aluna do meu ano, e a verdade é que fazer este curso não foi assim tão difícil quanto isso e deu-me muito prazer. Mas neste momento só quero que isto acabe...

Pronto, estava a precisar de desabafar...

24/05/2017

A minha casa é o meu castelo?

Desde que comecei a fazer investigação em psicologia, tornei-me uma chata, sempre a pedir às pessoas para preencherem questionários... ;) 

Mas é mesmo importante, só assim é que este tipo e investigação avança... 


Por isso, venho pedir-vos mais uma vez para perderem uns 5 minutos do vosso tempo para responder a mais um questionário (a sério, 5 minutos, este é curtinho!) 


MUITO OBRIGADA!!!! 

Aqui fica o link:

https://goo.gl/forms/If7iywFlhCx55F8G3

22/05/2017

Sobre a auto-disciplina (e o dinheiro deitado à rua com coisas que não faço)

As pessoas que me conhecem pessoalmente ou apenas virtualmente tendem a acreditar que eu sou muito disciplinada.

Em parte, é verdade. Sou disciplinada. Quando me proponho fazer coisas, faço. A nível académico isso é evidente: uma licenciatura, um mestrado, um doutoramento, uma segunda licenciatura prestes a terminar, um segundo doutoramento em curso e um candidatura a um segundo mestrado para breve. Se não fosse disciplinada, provavelmente isto não teria corrido assim. Também fiz outros cursos, formações, workshops, sempre com resultados positivos. O curso de instrutora de yoga é um exemplo. Agora estou a fazer a certificação em Primal Health Coach, que tem estado parada por causa de outras coisas, mas vai ser finalizada em julho ou agosto. Projetos, artigos, coisas sérias, relacionadas com o trabalho, são sempre feitas. Portanto, sim, acho que sou disciplinada.

Mas... 

Noutras coisas não sou. Certas coisas não consigo terminar. Muitas delas nem começo. Ou faço apenas durante 1 ou 2 dias e depois desisto. Para onde foi a minha auto-disciplina?

E do que é que estou a falar?

Muito simples. De todos os programas de treino/dietas/desenvolvimento pessoal que já experimentei...

Vou fazer um apanhado para ficarmos mais esclarecidos. 

Este foi o primeiro dvd de exercício físico que comprei, pouco antes de ter o meu segundo filho, com o objetivo de seguir o dvd para voltar à boa forma física. 


Acho que fiz uma ou duas vezes e desisti. Aliás, lembro-me que 1 mês depois da criança nascer, voltei para o ginásio e esqueci o dvd.

Mais tarde, comprei estes dois:



O dvd de alongamentos acho que nunca fiz todo. O dos abdominais até gosto e às vezes ainda faço alguns treinos.

Em 2011, inspirada pelo seu trabalho no The Biggest Loser, comprei este livro da Jillian Michaels.


Li-o, mas nunca fiz nada do que lá está escrito.

Em 2012, quando parti o pé a jogar ténis, comprei um dvd da Jillian, porque seria mais fácil de seguir que um livro. Comecei e recomecei várias vezes, até gosto do dvd, mas nunca fiz mais de 2 semanas seguidas (o programa é de 4 semanas).


Entretanto comecei a praticar yoga e aí sim, sou muito mais consistente, mas não tanto como gostaria...

As minhas compras de programas de treino continuaram, mas entretant rendi-me ao formato digital.

O ano passado comprei este programa de treino HIIT com pilates, o PIIT28:


Fiz só o primeiro dia e não peguei mais nele.

Este ano comprei o BodyBoss Method:


Fiz o primeiro exercício do primeiro dia. E decidi que não queria fazer mais.

Os livros/programas que comprei em formato kindle ou pdf são inúmeros...
Aqui ficam alguns exemplos:








Não completei nenhum dos programas. Geralmente nem passo da primeira semana.

O que é que isto diz acerca de mim?

Obviamente não sou tão disciplinada como pareço. Ou então gasto toda a minha força de vontade numas coisas e fico sem força para outras...

Mas nem tudo é mau!! Há coisas que faço e acho viciantes! A natação é um exemplo. Desde que voltei a nadar, em dezembro, que estou completamente rendida! Adoro, adoro, adoro!! Vou sempre às aulas, mesmo quando estou cansada ou não me apetece, e nado! Nado, esforço-me e não desisto (o professor e os colegas também contam bastante).
Quando pratico ashtanga com os meus professores Tarik e Lea também parece uma coisa do outro mundo! Da última vez até fiquei mal disposta com o esforço que fiz - mas que bem que sabe depois!

Numas coisas sou bastante disciplinada, de facto. Quando pago propinas e é importante para a minha carreira (como a universidade) ou quando tenho pessoas a olhar para/por mim (como os professores de yoga e natação), aí faço tudo direitinho!

Mas quando estou sozinha no meu canto... é para esquecer. Não tenho força de contade suficiente. Ou, simplesmente, os programas não são bem o meu estilo, tal como o ginásio, as aulas de grupo, onde nunca vou de forma consistente, porque me aborrece.

(agora que pus no papel alguns dos programas e livros onde já gastei dinheiro e comecei a fazer contas de somar por alto... estou a ficar traumatizada com o dinheiro que já deitei à rua nestas coisas... é melhor este post ficar por aqui...)

;) ;)


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...